segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Herbert Vianna



Admiro demais um cara que abriu as portas da EMI para a Legião Urbana, vislumbrando que aquela seria a maior banda do Brasil. Admiro demais um cara que por amar voar perdeu o poder de andar e o amor de sua vida. 



Admiro demais um cara que visitou os mortos e voltou com a missão de continuar tocando adiante sua nova vida, servindo como exemplo às tantas pessoas que desistem de lutar logo nos obstáculos pequenos. 


Herbert segue tocando Brasil afora a trilha sonora da vida da gente, sua geração, da qual eu tanto me orgulho de participar. Ver Herbert no palco, em ação, fazendo o que nasceu e renascer para fazer, é mais que um prazer ou lazer cultural. 


É uma experiência! É constatar e compartilhar da alegria de um homem em dar alegria a uma multidão. Sobre Herbert, "por mais que eu tente, que sinta, que fale, tem sempre alguma por dizer..."


Paralamas em Natal/RN |  26.11.2011

Paralamas em Natal/RN |  26.11.2011

Paralamas em Natal/RN |  26.11.2011


@zekrodrigues


domingo, 28 de agosto de 2011

Apresentação de Paulinho da Viola em Natal | 27 de agosto, 2011


Dinheiro na mão é vendaval

Na vida de um sonhador
Quanta gente aí se engana
E cai da cama
Com toda a ilusão que sonhou.

E a grandeza se desfaz
Quando a solidão é mais

Mas é preciso viver
E viver
Não é brincadeira não
Quando o jeito é se virar
Cada um trata de si
Irmão desconhece irmão








@zekrodrigues

sábado, 27 de agosto de 2011

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Ainda vai chão...


Lá vai o meu tempo já bem à frente da linha do meio do dia da minha vida. Encaminhando-se para o poente de tudo que resta para mim. Vai arrastando o que sou e o que ficou por ser. Lá vai o meu tempo direcionando-se à porta de saída... Mas antes ainda leva chão. 

E neste chão que me resta, vou correr descalso e brincar do que eu quiser. 
Pedalar, fotografar, tocar violão, fazer quintais iguais aos que imagino, subir em telhados buscando no céu coisas acesas, fazer fogueiras à beira mar... Soltar pássaros, deslizar em ondas, mapear litorais, organizar dicionários e escrever contos com as coisas do céu, do mar e do amor...

Preciso dar importância a tudo isso, pois o que sou é importante para mim.




@zekrodrigues

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Ao fim do dia...


Eu respeito todas as pessoas, mas preciso, primeiramente, dar importância e proteger a pessoa que eu sou! De uma maneira ou de outra, todas as pessoas acabam exercendo influência (positiva ou negativa) sobre as outras com quem convivem. Sendo assim, a pessoa que eu sou, tem parcela de participação na pessoa que você é. Por isso são importântes os bons exemplos, para que o que houver de mau no seu próximo não seja - de certa forma - culpa sua.




sábado, 20 de agosto de 2011

Um sábado singular

Acordei com uma certeza: vou ao mar! 
E fui: bike, mp3, boné, mochila, câmera. De mais não preciso. 
Fui ver o cotidiano das pessoas.

Vi uma lua boêmia, que atravessou a noite e teimava em não dormir.



Vi um corpo à deriva, sofrendo de grande solidão. 
E descobri que a maior solidão do mundo é a solidão dos corpos mortos, 
pois nem mesmo sua alma está mais ali.




Vi a natureza simples e impecavelmente perfeita.



Vi pessoas buscando-se a si mesmas em descansos e repousos, 
tentando encaixar a luva que é a alma na mão que é o corpo,
para que assim, talves, 
seja mais fácil seguir vivendo a vida.




Vi uma linda fortaleza fincada à beira-mar, 
desafiando os tempos, como deve ser o próprio mausoléu do Poseidon.




Vi pais de família lutadores, 
enfrentam o mar e arrancarem dele o sustento.




Vi pessoas de bem umas com as outras,
levando adiante suas vidas, 
sem que os desmandos dos destino
os tenham infortunado.



Vi que o meio ambiente está pedindo socorro



Vi até golfinhos...



Vi que bom senso ainda não é um bem comum



Enfim, vi que enquanto eu conseguir chegar ao mar de bike
estarei feliz.