domingo, 30 de janeiro de 2011

O Amor dos Loucos | Marta

Marta dorme na praia onde deixou-se cair como âncora
Para sonhar-se Sereia.

Sua cama são os barcos emborcados
Sua casa não tem paredes nem telhados.

Todos os dias Marta acorda morta de amores pelo mar
Acorda com sargaços nos cabelos
E hálito de sal...

E de conversa com o dia ela corre a praia
Vai colecionando ostras e búzios que são suas joias
Seus brincos são anzóis
E redes de pesca, seus lençóis
A espuma das ondas são suas bóias.

Se é noite,
Pondo fogo a remos
Faz fogueiras

Se tem fome
Come o que o vento arrasta

Concreto e asfalto são seus ais.

Marta não quer mais
Pisar o negro chão da cidade
Marta é mulher de idade
De saber o que quer.

Marta quer amar arrastões
Quer namorar navios
Quer marinas e pessoas marítimas
Quer peixes e paixões e naufrágios.

Todo bom dia
Marta dorme e acorda na maresia
Inundada, afogada em sua liberdade.

Quem pode entender Marta
E sua pouca lucidez?

Tão dona de si,
Lá da praia Marta grita:
"loucos são vocês!"
 
 
*

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Poema de chuva para a voz de Arnaldo Antunes

Arnaldo Antunes | Poema | Chuva

A chuva não olha a quem molha
a chuva só cai.
a chuva afronta o sol e vai destrambelhada
cair de cara na cara da gente,
no piso do rosto
no riso
no gosto
no dentes
nos lábios beijando... contente...
molhando o seco, esfriando o quente
e derepente pára, para apenas escorregar
deslizar, escoar
em busca de rios ou mares
de onde subirá aos ares para renascer.
 
 
 
*

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Pardais



Eu, se fosse um pássaro,

seria um cinza e desimportante pardal...
mas como os outros pássaros
teria o dom de voar!

Quantos pardais livres
ouvem o canto dos aprisionados canários?

Gosto dos pardais, pois como eu, não sabem cantar, ninguém lhes dá valor apesar de podermos voar!


*