sábado, 18 de julho de 2009

O Homem de lata


Meu coração é um osso duro

meu coração é puro osso
é um sítio de altos muros

meu coração vai mal com altos baixo-astral

meu coração não é nada

nem meu, nem fel, nem mel, nem de ninguém
meu coração vai além e se esculhamba sozinho

cortando caminho, caindo em siladas,

emboscadas...

dorme nas escuridões e se alimenta dos fiapos da esperança que tem de um dia, simplesmente, bater...

meu coração é cangaceiro frouxo:
só tem tamanho, como um gigante lerdo

meu coração é osso...

não tem pernas e nem quer correr...
meu coração é um osso duro de roer.

.



.