Páginas

Olá...

Obrigado por visitar nosso Cotidiano. Estamos escrevendo algumas coisas e fotografando outras desde 2008. Esperamos que gostem!

Visitantes agora

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O Labirinto


Hora eu não sou do mundo. Hora o mundo não é meu. Em qualquer das situações me sinto exterior, intruso, desconhecido, estranho, astronauta. Terra perdida sou eu. Terra desconhecida. Terra de céu deserto e deserto mar. Eu durmo e fujo, acordo e caio do sonho de fugir. Acordado começa meu pesadelo: sou invisível, sou perigoso, sou contagioso, asqueroso, seboso, ... a flor do jardim do nojo e o dono das culpas. Todos tomam distância por medo de mim. Sou uma usina de medos. Tenho-os muitos e causo-os ainda mais. Causo tanto medo a muitas pessoas e confesso que mesmo eu temo a mim. Não sei do que sou capaz na hora limite do desassossego. No instante da loucura alheia quando me veem perigoso, sendo eu tão manso, inofensivo e debilitado. 


Me tomam como perigoso mas sou devastado. Me vendem como  ladrão, mas eu que sou roubado dos meus direitos básicos. Na verdade, basicamente, não me dão direito a nada. Apenas me julgam e condenam-me a isso que sou. Apontam armas preconceituosas para mim e disparam sem misericórdia. Sou alvejado constantemente. 


Essa é a vida que tenho: querem que eu seja alguém, mas não me tratam como uma pessoa. Não aceitam a pessoa que sou. Muitos clicariam o botão do meu sumiço. Creio em poucas coisas que me dizem. Ignoro muito do que ouço falar e não sei a quantas anda o mundo lá fora. O meu tempo é pouco, é curto e gasto-o a procura de abrigo e alimento, embora digam que, por ser vagabundo, tenho todo o tempo do mundo. Se durmo sou preguiçoso. Se bebo sou alcóolatra. É raro o dia em que alguém me diz "bom dia...", "boa tarde...", "boa noite...". 


Se peço dinheiro me dizem para procurar emprego, se peço emprego dizem que não sirvo... Vivo em um labirinto, sem fio que me salve e sem Minotauro que me mate. A minha alma, toda ela, já é um calo só. 



Alguns de nós acreditam em Deus, e isso facilita as coisas em um pouco. 

Alegria & Coragem


 Coragem é remédio para as dificuldades que a vida inevitavelmente impõe do nascimento ao sepultamento de cada cristão. Alegria é também igual remédio para males da vida, sendo que, vez por outra, rua sim rua não, encontramos corajosos tristes e alegres medrosos. Na vastidão do mundo, de tudo há de existir.  A alegria abre portas, enquanto que a coragem as derruba. A alegria faz amigos sempre passageiros, enquanto que a coragem faz admiradores.


 A alegria disperta a inveja dos tristes. A coragem disperta a ira dos preguiçosos. O corajoso trabalha sem desvios do foco, alheia ao exterior, indiferente ao que não lhe interessa. Tudo interessa ao alegria, mesmo aquilo classificado com não interessante. O corajoso é sério, cisudo, concentrado, determinado. O alegre é leve, tranquilo, relaxado. A coragem enfrenta o perigo conhecendo o perigo que enfrenta. A alegria apenas ri de tudo. Acredita em tudo e acha que tudo é coisa de Deus, sendo que o que vier, vem bem.

sábado, 3 de setembro de 2011

A quantas anda o mundo?...


Sua vida, como vai?


E os seus projetos?


As crianças? na escola?

Muito trabalho? ... graças a Deus...