terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Poema de chuva para a voz de Arnaldo Antunes

Arnaldo Antunes | Poema | Chuva

A chuva não olha a quem molha
a chuva só cai.
a chuva afronta o sol e vai destrambelhada
cair de cara na cara da gente,
no piso do rosto
no riso
no gosto
no dentes
nos lábios beijando... contente...
molhando o seco, esfriando o quente
e derepente pára, para apenas escorregar
deslizar, escoar
em busca de rios ou mares
de onde subirá aos ares para renascer.
 
 
 
*