quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Honolulu


Alguém que ame o mar trará punhados de areia e pedras e conchas e búzios e ossos de peixes de cada praia onde pise. E com essas coisas fará colares e dará como presente a alguém que também ame o mar.
Alguém que ame o mar abraçará todos os coqueiros e deixará marcas dos seus pés em cada metro quadrado de praia.


Alguém que ame o mar passará noites em claro no chão das praias. E sentindo o cheiro e o vento e ouvindo a música daquilo tudo, estará feliz e será feliz no futuro toda vez que lembrar das noites vividas à beira mar.
Alguém que ame o mar comemorará cada por do sol e viverá todos os dias a experiência de despedir-se de tudo. Pois, independentemente de saúde, classe social, nacionalidade, idade ou crença, na real, o amanhã não existe para ninguém.


Alguém que ame o mar fará fogueiras e armará barracas na praia a espera do nascer do dia, e dirá aos “deuses” que quer aproveitar cada segundo de vida, vivendo ali seus melhores dias e guardará nas gavetas da alma a lembrança da alegria desses dias para usar no futuro, quando alguma tristeza quiser se mostrar.

Alegria não se economiza. 

@zekrodrigues