segunda-feira, 5 de abril de 2010

A CASA SEM PAREDES


9 carnaubas sustentam a casa sem paredes. E em frente a todo aquele mar não há nada que eu deseje mais. O sol nasce já dentro dela e dentro dela também mora o vento, e o tempo passa lento no seu quintal. O telhado de palha espalha sombra sobre mim, e tudo enfim, no meu pequeno mundo, sobrevive ao seu redor. Coqueiros correm na rua onde ela mora e canoas dormem abraçadas ao seu chão: a casa sem paredes é o coração daquele lugar; é o lar da gente, é o bar dos bêbados e o oratório dos crentes. Tudo vejo de lá: aeronaves, embarçaões, constelações... à noite a casa sem paredes não dorme, como um farol, namora o silêncio observando o negro horizonte e paciente, espera a luz do novo dia. Todo dia é assim na casa sem paredes. Não fosse o sol caminhando sempre em frente arrastando as sombras eu acreditaria que ali o tempo parou para descansar e ficou. Eu, por mim, ficava também...

*

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Arquivo do blog

Instagram

Instagram

Seguidores